maio 12, 2005

Qual o mais grave?

O referenciado no post anterior ou este caso dos concursos?

Escolas ISCAL e ISEL sob suspeita
Dos 273 candidatos admitidos para o preenchimento de 20 vagas, os primeiros classificados são familiares de dirigentes do IPL e de duas unidades orgânicas afectas: Instituto Superior de Contabilidade e Administração (ISCAL) e Instituto Superior de Engenharia (ISEL). Quanto aos membros do júri de concurso, são subordinados hierárquicos dos familiares dos candidatos.
continue a ler clique aqui
O Governo tem de por mão nisto e JÁ...
DESCUBRA AS COINCIDÊNCIAS
Ao concurso externo de ingresso para assistente administrativo concorreram 663 candidatos. Foram admitidos 278.O primeiro classificado foi Tiago Ferrolho, filho do presidente do Conselho Directivo do Instituto Superior de Contabilidade e Administração (ISCAL), Júlio Ferrolho; a presidente do júri do concurso, Maria de Lurdes Azinheiro, é secretária... do ISCAL. A segunda classificada, Sofia Marques, é sobrinha do administrador do IPL, António José Marques. Os quarto e sexto classificados, Edgar Brandão e Rui Correia, são sobrinho e filho, respectivamente, da secretária do Instituto Superior de Engenharia (ISEL), Graciete Pinto Correia. Os dois vogais efectivos do júri do concurso são funcionários... do ISEL. Entre os vinte primeiros há ainda o filho de uma funcionária do IPL, casada com um ex--funcionário... do ISEL.
LS

2 comentários:

DP disse...

Ó Luis tudo isto é grave e não se vai medir qual o mais grave se o anterior ou este.O que se pode dizer é que Portugal não é só uma república das bananas, também é a república da cunha, da corrupção e favorecimentos pessoais.Continuo a dizer que os concursos a nivel nacional ainda são os mais democráticos e justos. Já tive uma discussão neste blog com alguém que dizia que os concursos a nivel local (autarquia) seriam os ideais e aqui temos a prova.Mas continuo a ser favorável à descentralização e à autonomia neste caso das escolas.Ag

Anónimo disse...

o fator "C" esta bem presente quando se fala o nome Graciete Pinto Correia, aliás uma familiar entrou no iscal em 2010 através do regime >23 sem fazer as provas, porque a "madrinha do iscal" como ela se auto-intitula, "ordenou" que a mesma fosse matriculada nesse ano letivo....e um dos "afilhados" lá a meteu no sistema.... Essa Graciete devia era voltar para a terra dela.-..