abril 20, 2005

25 de Abril:que sentido faz comemorar o quê?

Só comemoramos o futuro. 0 que no passado merece ser comemorado são sempre realidades incompletas que fulguram em nossa direcção pela exaltação de possibilidades auspiciosas que acicatam o nosso inconformismo com a mediocridade de um presente tão arbitrário quanto necessário. Comemoramos, pois, as possibilidades contra as necessidades. As realidades incompletas são os sonhos, as utopias, as festas, as promessas, os desejos. Quanto mais incompletas, mais prenhes de futuro. Mas, em qualquer caso, o que há nelas de futuro é o nosso futuro nelas. 0 25 de Abril de 1974 foi, é e será sempre uma dessas realidades incompletas, talvez a que mais profundamente se inscreveu na nossa contemporaneidade. É por isso também o grande rodízio de possibilidades que mantém em guarda a razão cínica sempre pronta a reduzir a insatisfação pelo que se não fez às razões para não se ter feito. É esse rodízio que comemoramos para que, em seu perpétuo movimento, vá fazendo saltar e espalhar novas alternativas de libertação e de emancipação, de justiça e de democracia. A experiência destes trinta anos ensina-nos que muitas delas cairão em terrenos estéreis, nos pântanos dos contentes, na terra ressequida dos desistentes, nos relvados artificiais dos poderosos senhores do status quo. Mas também sabemos que os ventos são caprichosos e que há terras sedentas de sementes.
LS

13 comentários:

O Micróbio disse...

Afinal de contas em que ponto ficamos? Este ano voltamos ao conceito "revolucionário" ou mantemos o "evolucionário"... eu por mim mantinha este último, pelo menos daria azo a que o Manuel Alegre voltasse ao que ele sabe fazer de melhor... escrever poesia!

yulunga disse...

Ora viva. Pois digam-me vocês o que se comemora. De repente veio-me à ideia uma coisita. O Antes - Ballet Rose. O Depois - Casa Pia. Para além do nome, que não teria lógica ser o mesmo, só mudou o sexo das crianças.

yulunga disse...

Vou usar este blog: Luis, o teu blog está temporariamente sem acesso aos comentarios ou é uma opção definitiva?

O Micróbio disse...

Pois, Luís... já estava para te perguntar isso... como é? Acabaste com os comentários?

Anónimo disse...

Micróbio, digo-te que é Revolução e não "evolução" e posso-te explicar porquê? Ag

Anónimo disse...

Yulunga, não percebi o que é que o 25 de Abril tem a ver com a casa pia.Ag

yulunga disse...

Agostinho nem eu entendo o que o Ballet Rose tem a ver com o antigo regime. Não ligues... São raciocinios que a Liberdade nos permite

Anónimo disse...

Vai começar a luta dos "R" e a luta dos "E". Neste espaço ao contrário da maioria do povo português e segundo as últimas eleições os "E" estão em maioria.Vamos a eles.anónimo.

David disse...

O E é continuação do R

Rui Ribeiro disse...

Esta discussão entre os R e os E faz sentido? Estas comemorações já só fazem sentido para a rapaziada do costume. Mais valia, tendo em conta o défice de produtividade nacional, eliminar estas coisas que já são apenas sinais de alguma menoridade cívica e de desenvolvimento.
Acho que a comemoração só é boa para as vendederas de cravos com negócio em bancas próximo da Assembleia da República, em dia de sessão comemorativa.

Luis Silva disse...

A questão dos comentarios tem a ver que não consigo colocar um sistema a funcionar. Eu bem queria e ando a fazer testes mas até agora nada:(
alguém que me ajude a resolver isto...

Rui Ribeiro disse...

Se for necessário, disponibilizo-me para ajudar com os comentários. Já ajudei pessoas com o Haloscan, que me parece agora estarem a funcionar muito bem...

Anónimo disse...

Desde o sécula XVIII que vivemos num paradigma evolucionista. Quando o ano passado aconteceu esta questão da Evolução pensei que queriam integrar o 25 Abril num processo mais amplo e verdeiramente revolucionáro como é o caso da mundança das teorias creacionista para as teorias evolucionistas. Neste contexto não me parece mal. O problema é que ainda estão vivas muitas pessoas que foram afctadas directamente pelos acontecimentos do 25 Abril de 74. E para esses, na sua vida pessoal, o acontecimento teve um dimensão de revolução. Mas daqui a 50 anos este episódio será integrado na história como um acontecimento menor. Penso eu de que...
Stela