fevereiro 13, 2005

Primeiro Ministro Dr.Santana Lopes, cancela campanha eleitoral em respeito á memória de Irmã Lúcia

Irmã Lúcia, uma das videntes de Fátima, morreu este domingo com 98 anos, em Coimbra. Dos três pastorinhos que dizem ter visto a Virgem Maria, Lúcia era a única que ainda se encontrava viva.Tinha dez anos quando disse ter visto, pela primeira vez, Nossa Senhora na Cova da Iria, juntamente com os primos Jacinta Marto e Francisco Marto. Lúcia foi a única que alegou ter ouvido palavras da Virgem.Actualmente encontrava-se a residir no colégio das Carmelitas em Coimbra.
A atitude do Dr. Santana Lopes é reveladora da sua fé e demonstra um grande sentido de Estado. Muito bem Sr. Primeiro Ministro.
LS

5 comentários:

Ermelinda Toscano disse...

Pois é LS. Desculpa que te diga, sendo Portugal um Estado laico (apesar de maioritariamente católico, é verdade), a atitude de PSL parece-me mais de aproveitamento político do que de respeito… aliás, vultos eminentes da igreja católica, entre os quais D. Manuel Martins (antigo Bispo de Setúbal), já se manifestaram contra o cancelamento da campanha eleitoral por parte de alguns partidos políticos.
O luto nacional decretado pelo Governo é, também, alvo de críticas (com as quais concordo inteiramente), entre outros, de Pacheco Pereira ("estão a transformar indirectamente [a morte da freira] num acto de campanha"… "é um completo contra-senso suspender a campanha por 'luto' de dois dias, como será a proclamação, cada vez mais banalizada, de luto nacional" – http://abrupto.blogspot.com) e Vital Moreira ("Não há limites para a exploração política oportunista dos sentimentos religiosos" – http://causa-nossa.blogspot.com).
ET

Anónimo disse...

Isto tudo é muito engraçado.
Pergunto-me se as mentes iluminadas que este país tem, diriam o mesmo se não o país não estivesse em campanha eleitoral.
Provavelmente não!
Provavelmente até concordariam com o decretar do luto nacional mas estariam sempre de pedras na mão para o caso do governo não o fazer.
Não me parece despropositado o decretar do luto nacional, nem mesmo o “abrandamento” do ritmo das campanhas eleitorais por parte dos partidos que assim entenderem, nem muito menos me parece despropositado que existam partidos que não o façam, porque não sou dono da verdade, nem quero sê-lo.
David

Anónimo disse...

Não me faça rir, Sr. LS, ainda sei reconhecer demagogia descarada quando a vejo. Parece que voltámos ao tempo dos 3 f.
Manuel

O Micróbio disse...

Já se estava à espera... preso por ter, preso por não ter!

Anónimo disse...

GRANDE SENTIDO DE ESTADO - "NOVO". NO CDS DISSE-SE MISSA E AJEITOU-SE A GRAVATA PRETA. NO PPD/PSD SUSPENDEU-SE A CAMPANHA E AGUARDA-SE O "FUNERAL". ASSIM VAMOS. mário.