fevereiro 01, 2005

A propósito de eleições

Criar uma sociedade melhor é um papel a ser desempenhado por todos nós. Quando pensamos sobre o assunto, lembramo-nos de entidades que abraçam causas sociais com empenho e vivem buscando meios para prestar assistência aos portadores de tentos sonhos, nos quais já não acreditam, à força de tantas ideologias prometidas, em vão… Estão aí as eleições, por ironia de promessas ocas, antecipadas…o povo está gasto, cansado…talvez porque o verdadeiro esclarecimento, o conhecimento de causas justas, não chegue com a devida ênfase a este povo desiludido! Há que acreditar em novas ideias…seja qual for a simpatia que nos envolve pelo partido que reiteramos! Todos eles tentam, em suma, gerir melhor os recursos existentes sem prejudicar a qualidade e a equidade numa perspectiva de longo prazo. Estes princípios levam-nos a analisar diferentes meios de melhorar a eficácia interna em tantos sectores, como na politica educacional, no que concerne á saúde publica, à crise do desemprego, ao melhor nível financeiro…a tantas prioridades, que Portugal merece…Há que, nestes princípios básicos, acreditar um pouco…Comungamos das mesmas democracias que nos bombardeiam todos os canais televisivos, jornais…a tal dita comunicação social.
Devemos pensar, reflectir…num desafio decisivo para que Portugal, não fique na cauda dos países em que o nível social seja um défice, triste para os portugueses.
Pensando bem…acho que todos nós devemos que…
- “politização” dos valores educativos e culturais e o pouco empenho das autoridades em modernizar a economia. As instituições educativas estão reduzidas ao papel de instrumentos do poder politico e de simples apêndices do aparelho governamental.
- “A pouca atenção prestada ao individuo”. Neste capitulo reconhecer deveres morais…há tantos sem-abrigo, em condições indignas de vivências terrestres…idosos, mergulhados na solidão…fracas pensões sociais, para sobreviverem durante trezentos e sessenta e cinco dias…Tanta coisa se poderia reestruturar…há que acreditar. Seja que partido for…todos eles têm a sua filosofia humana…temos que acreditar que ainda há, deverá haver pessoas competentes credíveis, para encabeçarem cargos políticos, sem arrogância, mas com dignidade e humildade, para levarem a bom porto todo um contexto politico, social, económico, para fazer deste Portugal, um país onde se possa viver dignamente, com justiça, segurança, paz…
É assim que eu vejo, entendo a “politica”.
Nada de polémicas do frente-a-frente, a indignarem-se uns com os outros…mas sim na concórdia…O melhor para todos os portugueses…talvez assim, o povo não se sinta desiludido e…farto, cansado de tantos procedimentos, a abstenção seja um dos mais graves perigos para estas eleições do dia 20 de Fevereiro!
Portugal necessita de uma demagogia e de um eleitoralismo credível…para existir respeito, dignidade, felicidade, paz e segurança, em todos nós!
Vamos dar tudo, por tudo…Pensando bem no que queremos de melhor para Portugal…
Até 20 de Fevereiro de 2005!
enviado por: Mila Sousa
LS

3 comentários:

Menina_marota disse...

Bem... gostei do que li. É franco, conciso, directo na análise que faz. Há muito tempo, gostei de política. Não admira... Era uma miúda, poeta e sonhadora, que pensava que um dia iria salvar o Mundo. Ouvia os políticos e respeitava-os. ( anos de política, semi-activa, deram-me a conhecer um mundo de podridão, de interesses, de traições), enfim... tudo aquilo que os princípios em que fui educada, condenava!Agora, quando os ouço falar, uma náusea revolta-me o estômago! Discute-se plitíca, hoje em dia? Discute-se o verdadeiro estado da Nação? Ou ataca-se ferozmente, quais milhafres em busca de caça? Eu acreditava que era possivel existir uma social democracia que resolvesse ou, pelo menos tentasse resolver, os problemas sociais deste País... mas o que vi... o que vejo, é que os interesses económicos das grandes empresas, estão à frente das minorias...Votar? Votar em quem?
Abraço. Não o maço mais com a minha reflexão. :-)))

http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

Texto sério para reflexão.Seria óptimo que os politicos parassem para reflectir naquilo que dizem e fazem e ouvissem conselhos como o da Mila.Parabéns pelo excelente post.Ag

O Micróbio disse...

Bolas, Mila... eu que já estava completamente decidido. E agora? Voto em quem? É que olhando para o teu texto vejo um alerta significativo que é a abstenção, no entanto esse teu mesmo texto leva-me a fazer parte dessa abstenção... é que realmente o melhor para Portugal, neste momento, é renovar por completo toda a massa política!