dezembro 04, 2004

A grande questão está nos...três

Os três sempre foram tema de conversa não só em Portugal como no mundo, muito provavelmente a partir do momento em que homens e mulheres lhe decidiram atribuir essa designação após o acto do primeiro contacto sexual efectivo, o que nos remete para uma evocação ao tempo em que se fazia amor sem o uso de qualquer método anticoncepcional correndo assim riscos que podiam influenciar com o estado de saúde de quem "perdia os três". Quando se evoca a palavra "três" deveria haver mais respeito pela origem da designação e ao que parece o nosso PR garantiu ao nosso PM "por três vezes" que não dissolveria o Parlamento, um dia antes de lhe comunicar a...dissolução, quebrando assim um dos maiores tabus que a sociedade desde sempre rejeitou falar em público. Tal como a sociedade, também o nosso PR anda a fazer tabu ao ponto de ainda não ter esclarecido à nação essa questão dos "três".
Santana vem dizer a terreiro que "A política não pode ter segredos", mas ao que parece mais do que um segredo, Jorge Sampaio está a fazer tabú.
Exige-se a Sampaio que explique ao país essa questão dos "três".

LS

5 comentários:

Anónimo disse...

Caro Luis.
Mal sabia eu, ao escrever DUAS VEZES DE ACORDO, que afinal eram TRES. TRES VEZES DE ACORDO.
Das "Duas vezes" já eu estava. A terceira virá no dia 10! Um abraço e Parabens por este espaço de discussão. Haja LUZ!
JC

100chave disse...

...provavelmente a regra dos "três simples" não será tão simples assim de explicar...

DP disse...

Meu caro Luis, afinal quem falou nos "três"..não foi Santana Lopes? Ag

Maria Papoila disse...

Agora com essas história dos três, o que vai ser do Santana?

Anónimo disse...

Por que nao:)